ESPECIALIZAÇÃO AVANÇADA PÓS-UNIVERSITÁRIA EM INTERVENÇÃO PRECOCE
- Advanced Professional Program -
Partilhar

ESPECIALIZAÇÃO AVANÇADA PÓS-UNIVERSITÁRIA EM INTERVENÇÃO PRECOCE

- Advanced Professional Program -

Acreditação

undefined

(64 créditos)

undefinedInstituto Reconhecidoundefined

Porto - 02 Mar. 2019 - Inscrições abertas

Livestream - 02 Mar. 2019 - Inscrições abertas

Madeira e Açores - 02 Mar. 2019 - Em Livestream - Inscrições abertas

Lisboa - 23 Mar. 2019 - Inscrições abertas

INSCRIÇÕES PIONEIRAS18% de Desconto nas propinasPORTO | LIVESTREAM | MADEIRA E AÇORES em LIVESTREAM até 16-01-2019 | LISBOA até 06-02-2019

 

DATA LIMITE DE INSCRIÇÃOPORTO | LIVESTREAM | MADEIRA E AÇORES em LIVESTREAM: 10-02-2019 | LISBOA: 03-03-2019

O QUE É O LIVE STREAM?

A formação em Live Stream é uma tecnologia inovadora, que permite aos alunos do Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências assistirem em direto aos eventos formativos a partir de qualquer ponto do país e do mundo. Para que isso aconteça é apenas necessário ter acesso à internet.

 

O que é o Live Stream do Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências?

O investimento do Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências nesta área de ensino visa encurtar distâncias, aproximar alunos e disponibilizar a nossa oferta formativa a todos os que pelos mais diversos motivos não podem assistir às aulas em regime presencial. Assim, os alunos poderão aceder a formação com o mesmo rigor científico e técnico semelhante ao ensino presencial, voltado para a aquisição, desenvolvimento e aprofundamento de conhecimentos necessários ao exercício de uma prática clínica, académica (ou outra) enquadrada nas boas práticas da Psicologia e áreas afins.

 

Apoio técnico ao Aluno à distância

No Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências, os alunos usufruem de acompanhamento interativo via email ou chat, para um melhor aproveitamento das aulas. Todo o material fornecido aos alunos presenciais é também disponibilizado aos alunos em regime de Live Stream.

 

Outras vantagens:

Possibilidade de assitirem até 25% das aulas presencias sem quaisquer custos adicionais.

 

Saiba mais em geral@inspsic.pt

ENSINO SUPERIOR

Tendo em vista o prosseguimento de estudos para a obtenção do grau académico de mestrado ou de doutoramento, os estabelecimentos de ensino superior poderão após apreciação, creditar em ECTS (European Credits Transfer System) os cursos concluídos com aproveitamento, ministrados pelo INSPSIC (artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de Março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho).

Destinatários

Estudantes e profissionais das áreas das Ciências Humanas e Sociais, de destacar: psicologia, serviço social, criminologia, sociologia, direito, educação; e das Ciências da Saúde: medicina, enfermagem, entre outros.

Descrição

Coordenação Científica:

Carla Peixoto

Carla Peixoto

Licenciada (Pré-Bolonha; pré-especialização: Psicologia do Desenvolvimento e Educação da Criança) e doutorada em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Atualmente exerce funções de docência na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto e no Instituto Universitário da Maia (ISMAI) na área da Psicologia da Educação e em áreas associadas, tais como Psicologia da Criança e do Adolescente, Necessidades Educativas Especiais, Avaliação Psicológica. É supervisora de estágios curriculares e de de dissertações no âmbito do Mestrado de Psicologia Escolar e da Educação do ISMAI. Tem participado em vários projetos de investigação de âmbito nacional e internacional ligados à área da Psicologia da Educação, tendo como principais interesses de investigação a qualidade dos principais contextos de desenvolvimento dos indivíduos e a promoção do desenvolvimento de competências socioemocionais e de literacia emergente em crianças de idade pré-escolar. A nível da intervenção, desenvolve consultadoria em contextos educativos no âmbito da avaliação e da melhoria da qualidade dos ambientes e na área da gestão do comportamento em contexto escolar.

 

Coordenação Pedagógica:

Dr. José Pinto Gouveia

Director e Coordenador Pedagógico do Instituto Português de Psicologia. Psicólogo.

 

Objetivos gerais:

A presente Especialização Avançada Pós-Universitária visa a aquisição de formação que permita, nos termos do recente sistema de especialidades profissionais proposto pela Ordem dos Psicólogos Portugueses, o exercício profissional especializado na área da Intervenção Precoce na Infância (IPI). Neste sentido, esta pós-graduação encontra-se orientada para o aprofundamento de conhecimentos teórico-empíricos e de competências técnicas consideradas centrais ao exercício profissional nesta área de intervenção. Em termos gerais, é esperado que, no final da formação, os formandos sejam capazes de:

- Articular de forma crítica um quadro de referência teórico-empírico relevante e atualizado no âmbito da Intervenção Precoce na Infância;

- Desenvolver planos de avaliação-intervenção teórica e empiricamente sustentadas, adequados às necessidades das crianças entre os 0 e os 6 anos com necessidades especiais e coerentes com a legislação atual;

- Atuar de forma eticamente responsável junto de crianças entre os 0 e os 6 anos abrangidas pelo Decreto-Lei 281/2009, respetivas famílias e outros profissionais.

 

Objetivos específicos:

- Conhecer o modelo conceptual e os constructos teóricos recomendados internacionalmente para a Intervenção Precoce na Infância (IPI)

- Identificar a importância de se inscreverem as práticas de IPI numa lógica inclusiva segundo abordagens centradas na família e restantes cenários de participação de vida da criança

- Conhecer os princípios de funcionamento e as competências de participação necessárias ao desenvolvimento de atividades em equipas transdisciplinares de intervenção em IP

- Conhecer as linhas de orientação fundamentais adotadas na elaboração e implementação dos planos de avaliação-intervenção

- Identificar os principais constructos teóricos que orientam as práticas de avaliação-intervenção atuais em Intervenção Precoce (IP).

- Distinguir os modelos para orientar o processo de avaliação-intervenção em IP

- Descrever conceitos e princípios de diferentes modelos de avaliação

- Detalhar os modelos actuais de referência para uma prática de IP centrada na família e na comunidade

- Analisar os principais pressupostos de uma intervenção centrada na família e nas rotinas

- Detalhar o objectivo e o processo do Plano Individual de Intervenção Precoce (PIIP), enquanto componente-chave da Intervenção Centrada na Família e enquanto instrumento para responder às preocupações e prioridades das famílias nos ambientes naturais

- Especificar as técnicas e estratégias inerentes ao planeamento do programa educativo da criança, nomeadamente na definição de objetivos precisos e funcionais

- Identificar características específicas do desenvolvimento e aprendizagem das crianças dos 0 aos 6 anos e como estas se relacionam com a intervenção em ambientes de aprendizagem naturais

- Distinguir diferentes tipos de intervenção relacionando-os com o papel dos adultos significativos/cuidadores da criança em cada um deles

- Identificar diferentes modelos de intervenção em contextos naturais

- Descrever o Modelo de Intervenção Precoce Baseado nas Rotinas e os seus diferentes componentes

- Demonstrar as diferentes fases do Modelo de IPBR

- Conhecer e analisar o percurso histórico das abordagens concetuais da incapacidade

- Conhecer e descrever o modelo concetual da CIF-CJ

- Compreender e demonstrar a utilidade da CIF-CJ nos processos de avaliação-intervenção em contexto educativo

- Explicar a estrutura, organização e componentes da CIF-CJ

- Aplicar o sistema de codificação da CIF-CJ em contexto educativo

- Analisar diferentes modelos de avaliação da qualidade de contextos educativos inclusivos

- Identificar as dimensões essenciais de contextos educativos inclusivos de elevada qualidade

- Demonstrar competências específicas na prática de avaliação de indicadores de qualidade dos contextos educativos inclusivos

- Reconhecer os diferentes modelos de organização inerente à prática de funcionamento de equipas de Intervenção Precoce

- Conhecer as características e os processos subjacentes à construção de uma equipa transdisciplinar em Intervenção Precoce

- Definir as competências necessárias ao profissional de equipas transdisciplinares de intervenção em IP

- Identificar diversos tipos de suportes de apoio segundo os dois sistemas internacionais de categorização e relacionar com as principais necessidades das crianças e jovens

- Descrever as potencialidades dos suportes de apoio, sobretudo, os relacionados com a comunicação aumentativa, como forma de potenciar a funcionalidade, autonomia e independência das crianças e jovens

- Relacionar a utilização de suportes de apoio para a comunicação com outros tipos de suportes de apoio

- Analisar procedimentos de avaliação com vista à utilização de suportes de apoio segundo o modelo ecosssitémico

 

Competências a desenvolver:

- Formação científica rigorosa, atualizada e completa sobre famílias multiproblemáticas.

- Competências na elaboração de diagnósticos e elaboração de propostas de intervenção.

- Competências na aquisição de uma atitudes ética e deontológica em função da problemática.

- Desenvolvimento de capacidade reflexiva crítica.

 

Metodologia de ensino:

A formação será organizada numa perspectiva teórico-prática, com recurso a suporte audio-visual e participação ativa do aluno em todas as atividades propostas. Versará a apresentação e discussão de temas específicos da problemática das famílias, bem como a discussão de casos práticos.

 

Critérios de avaliação:

- Realização de trabalho final;

- Condições de frequência: Para obtenção de frequência nesta ação formativa, os formandos estão sujeitos ao dever de assiduidade em 75.

 

 

Saídas Profissionais

Os/as alunos/as no final da Especialização Avançada Pós-Universitária ficam habilitados/as a intervir em famílias multiproblemáticas, multiassistidas, disfuncionais ou em situação de exclusão; a exercer funções Técnicas em Instituições de Solidariedade Social, nomeadamente: IPSS, Misericórdias, Mutualidades, Fundações; mas também em entidades públicas, como Municípios, Juntas de Freguesia, Instituto da Segurança Social, Escolas, CLDS, RLIS, entre outros.

Plano Curricular

Módulo 1

PERSPETIVAS TEÓRICAS E O ENQUADRAMENTO LEGAL EM PORTUGAL NA INTERVENÇÃO PRECOCE

1. Enquadramento conceptual de referência para a Intervenção Precoce na Infância (IPI)

a.Teorias do desenvolvimento e a evolução dos modelos de Intervenção Precoce (IP)

b.O que é a Intervenção Precoce na Infância: a sua relevância na promoção do desenvolvimento Práticas recomendadas em IP

c.A Intervenção Precoce na Infância em Portugal – a orgânica do Sistema Nacional de Intervenção Precoce

2.Os princípios subjacentes à IPI centrada na família ao longo do processo de intervenção

a.Das abordagens centradas na criança aos modelos centrados na família e nas comunidades

b.A abordagem desenvolvimental sistémica de Guralnick (2005)

c.O modelo de intervenção no sistema familiar com base a promoção de competências de Dunst e colaborabores (2009, 2010)

3.Transdisciplinaridade e consultoria colaborativa entre educadores de infância e técnicos de IPI - Práticas Orientadas para a Parceria Eficaz Família-Profissionais

a.Os contributos das abordagens de diferentes domínios disciplinares

4.A intervenção precoce na infância: um modelo integrado de colaboração (Simeonsson, 1997). Decisão e Práticas baseadas em evidências

 

Módulo 2

PRÁTICAS RECOMENDADAS DE AVALIAÇÃO EM INTERVENÇÃO PRECOCE

1.O processo de avaliação-intervenção em IP

1.1.Conceitos de deficiência, funcionalidade, incapacidade, desvantagem e risco

1.2.A abordagem pluridimensional da incapacidade

2.A IP orientada para a família e centrada nas rotinas

3.Avaliação autêntica

4.Avaliação Arena -Observação de uma Avaliação Arena

5.O modelo desenvolvimental sistémico de Guralnick (2005)

6.O modelo de Dunst –Capacity building (2009)

7.O modelo de McWilliam (2003): os cinco Componentes do Modelo da Intervenção Precoce em Contextos Naturais:

7.1.A Entrevista com base nas Rotinas

7.2.O Ecomapa

7.3.Abordagens e Contextos de avaliação

7.4.Trabalho em equipa e o papel do mediador de caso

7.5.Componentes das visitas domiciliárias e da consulta colaborativa

 

Módulo 3

PRÁTICAS CENTRADAS NA FAMÍLIA E NA COMUNIDADE

1. A Intervenção Centrada na Família e na Comunidade

1.1. Enquadramento conceptual da Intervenção Centrada na Família e na Comunidade

1.2. Modelo Integrado para a Intervenção Precoce e Apoio à Família - 3ª Geração -Dunst (2000)

1.3. Mudança do papel dos profissionais numa intervenção centrada na família e na comunidade

1.4. Intervenção nos ambientes naturais, mediada pela família e baseada nas rotinas e nas actividades

2. O ciclo de avaliação/intervenção

2.1. Estratégias para desenvolver o Plano Individual de Intervenção Precoce (PIIP) com a família

2.2. Planeamento da intervenção: como definir objectivos funcionais e estratégias para os alcançar

2.3. Delinear o programa educativo da criança – partir da avaliação das competências para o planeamento da intervenção

3. A prática da IP

3.1. Estudo de caso: da sinalização ao processo de transição

 

Módulo 4

PRÁTICAS DE INTERVENÇÃO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM NATURAIS

1.Características específicas do desenvolvimento e aprendizagem das crianças dos 0 aos 6 anos

2.Práticas de intervenção

3.Modelos e abordagens de intervenção em contextos naturais

a.Family Guided Routines Based Intervention (FGRBI) - Julianne Woods, http://tactics.fsu.edu

b.Primary Coach Approach to Teaming –Rush & Shelden, 2012

c.Routines-Based Early Intervention (RBEI) - McWilliam, 2010

d.Using Everyday Routines and Activities -Carl Dunst & Mary Beth Bruder

4.O Modelo de Intervenção Precoce Baseada nas Rotinas

a.Ecomapa

b.Entrevista baseada nas rotinas

i.relação positiva com a família

ii.funcionamento diário da criança e da família

iii.produzir uma lista substancial de objetivos funcionais (nível da criança e da família)

c.Serviços integrados/Transdisciplinares

d.Consultoria colaborativa

i.Visita domiciliária baseada no apoio

ii.Terapia integrada

 

Módulo 5

CONTRIBUTOS DA CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE, INCAPACIDADE E SAÚDE (OMS, 2007) PARA A INTERVENÇÃO PRECOCE

1. Contextualização (evolutiva) dos modelos teóricos de desenvolvimento e de incapacidade

2. Classificação Internacional de Funcionalidade - Versão para crianças e Jovens (CIF - CJ)

2.1. Modelo concetual

2.2. O papel da CIF-CJ nos processos de avaliação-intervenção em contexto educativo

2.3. Apresentação e exploração da estrutura, componentes e sistema de codificação da CIF-CJ

2.4. Treino de aplicação do sistema de codificação da CIF -CJ, com base num caso: exercício prático de codificação

 

Módulo 6

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE CONTEXTOS EDUCATIVOS FORMAIS INCLUSIVOS

1. O conceito de qualidade dos contextos educativos: relatividade do conceito, definições e operacionalização

2. Efeitos da qualidade no desenvolvimento e na aprendizagem das crianças

3. Alguns modelos para o estudo da qualidade. Variáveis de estrutura e variáveis de processo. A qualidade como constructo multidimensional

4. A qualidade do ponto de vista de cada criança/jovem: A qualidade do ambiente em contextos educativos inclusivos

5. Instrumentos de avaliação da qualidade de contextos educativos inclusivos: Medida de Qualidade das Experiências Inclusivas

 

Módulo 7

MODELOS DE TRABALHO EM EQUIPA

1. Modelos de organização de equipas de Intervenção Precoce

2. Características da equipa transdisciplinar

3. Processos de construção da equipa transdisciplinar

4. Perfil do profissional de Intervenção Precoce no âmbito de uma equipa transdisciplinar

 

Módulo 8

SUPORTES DE APOIO

1. Evolução concetual

2.Categorização segundo o modelo ISO e o modelo HEAR

3. O sistema português de prescrição, atribuição e financiamento de suportes de apoio

4. Suportes de apoio e sistemas de comunicação aumentativa

4.1. Posiciona-mentos e funcionalidade tendo em conta a utilização de suportes de

apoio para a comunicação e a autonomia

4.2. Os principais sistemas aumentativos de comunicação

4.3. Da avaliação à intervenção com vista à utilização de suportes de apoio para a comunicação em contextos naturais de interação

Corpo Docente

Ana Isabel Pinto

---

Catarina Grande

---

Tânia Boavida

---

Vera Coelho

Vera Coelho

Mestre em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP), na área da Psicologia da Educação e Desenvolvimento. Desde o término do seu mestrado, tem colaborado em diversos projetos de investigação da FPCEUP, nomeadamente projetos relacionadas com a Intervenção Precoce, a qualidade dos contextos educativos e o envolvimento de crianças em contexto escolar.
Entre 2010 e 2012 foi bolseira de investigação no Projeto “Contributos da CIF-CJ para o estudo da participação em crianças com incapacidades em idades precoces” [RIPD/CIF/109664/2009], tendo o seu trabalho focado, entre outros: processos de avaliação de crianças com incapacidades e dos seus contextos de desenvolvimento; a elaboração de perfis de funcionalidade com referência à CIF-CF: o planeamento de intervenções em contexto educativo; a documentação do processo de avaliação-intervenção utilizando a CIF-CJ como quadro de referência. Entre 2013 e 2015 foi bolseira de investigação no Projeto “Transição dos bebés para a creche: comunicação família-creche, qualidade dos contextos e adaptação do bebé” [FCOMP-01-0124-FEDER-029509; FCT PTDC/MHC-CED/4007/2012).
Tem ainda lecionado cursos de formação sobre a CIF-CJ e a intervenção com crianças com necessidades educativas especiais e/ou em risco.
Os seus interesses de investigação e formação incluem: intervenção precoce, desenvolvimento profissional, desenvolvimento do pensamento matemático em idades pré-escolares, qualidade dos contextos de educação e desenvolvimento, envolvimento e participação de crianças com e sem incapacidades ou em risco; educação inclusiva.
Atualmente é doutoranda em Psicologia e o seu estudo incide sobre a qualidade dos processos interativos em contextos pré-escolares inclusivos.

Mónica Marques da Silva

Mónica Marques da Silva

Mestre em psicologia (especialização em Educação e Desenvolvimento da criança em idade pré-escolar) e licenciada em psicologia (pré-especialização em Psicologia do Desenvolvimento e Educação da criança - Área Educação + Área Clínica), pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto. Pós-graduada em Neuropsicologia Educacional.
Participação frequente em formações ligadas à educação e, mais recentemente, na área da neuropsicologia, assim como em congressos e seminários com apresentação de posters e comunicações que resultam de projetos de investigação em que participa no Centro de Psicologia e do Desenvolvimento da Criança da FPCEUP. Revela especial interesse pela área da literacia emergente e da avaliação da qualidade em contextos de creche e jardim de infância.
Tem estado sempre ligada à consulta psicológica, avaliação e intervenção a nível individual, junto de crianças e jovens e ao trabalho em colaboração com pais e com diversos profissionais, nomeadamente pedopsiquiatras, terapeutas da fala, terapeutas ocupacionais, professores e educadores. Em paralelo, organiza e dinamiza formações para pais e profissionais de educação em diversas áreas ligadas ao desenvolvimento e educação.

Isabel Felgueiras

---

Joaquim Colôa

Joaquim Colôa

É Professor de Educação Especial no Agrupamento de Escolas Padre Bartolomeu de Gusmão em Lisboa e Investigador Colaborador no Instituto de Educação, Universidade de Lisboa. É Doutorado em Ciências da Educação com Especialização na área da Avaliação, Mestre em Educação Especial, Pós Graduado em Psicomotricidade e Especializado em Educação Especial. Tem colaborado como docente em cursos de Especialização e Mestrado em diversas Instituições de Ensino Superior (ISPA, ESE de Castelo Branco, ISEC e ESE Jean Piaget de Almada), sendo responsável em algumas dessas instituições pelo módulo de Tecnologias de Apoio. Foi membro do Conselho Cientifico do Mestrado em Intervenção Precoce do ISEC. Foi responsável pela área da Intervenção Precoce no Ministério da Educação. É formador acreditado pelo Conselho Cientifico-Pedagógico da Formação Continua (nas áreas de Avaliação, Educação de Infância, Educação Especial, Práticas de Avaliação do Rendimento Escolar e Tecnologias Educativas na Educação Especial – Tecnologias de Apoio). Tem sido preletor em diversos encontros, seminários e colóquios tanto no país como no estrangeiro, nomeadamente na área das Tecnologias de Apoio, bem como na área da Intervenção Precoce. É autor, tanto no país como no estrangeiro, de artigos em jornais e revistas, capítulos de livros e livros. É autor de diversos relatórios produzidos no âmbito dos serviços do Ministério da Educação sendo um desses relatórios sobre Problemas Motores e Tecnologias de Informação e Comunicação. É Presidente da Mesa da Assembleia da Associação Nacional de Docentes de Educação Especial e membro do Conselho Pedagógico do Centro de Formação da mesma associação. É membro da Rede Europeia e-COST. Foi representante do Ministério da Educação nos grupos de trabalho na área das Tecnologias de Informação e Comunicação (ICT in SNE Project) na Agência Europeia para as Necessidades Educativas Especiais e Educação Inclusiva. Representou o Ministério da Educação no Grupo de trabalho de Melhoria do Sistema Supletivo de Prescrição e Financiamento de Tecnologias de Apoio coordenado pelo Secretariado Nacional de Reabilitação e Integração da Pessoa com Deficiência e na Comissão técnica (CT – 160) de Acessibilidade às Tecnologias de Informação e Comunicação Coordenada pelo ONS/II Instituto de Informática. Traduziu as normas de qualidade na informática para o Instituto Português de Qualidade. Foi responsável pela conceptualização e criação do segundo Centro de Avaliação em Novas Tecnologias de Informação e Comunicação para intervenção com alunos com NEE em Portugal no âmbito do da Equipa de Coordenação doa apoios Educativos de Castelo Branco.

Calendarização e localização

Porto Livestream 

Madeira e Açores em Livestream

Lisboa

02 e 30 de Março de 2019;

13 de Abril de 2019;

11 e 25 de Maio de 2019;

08 e 29 de Junho de 2019;

13 e 27 de Julho de 2019;

07 e 21 de Setembro de 2019;

12 e 26 de Outubro de 2019;

16 e 30 de Novembro de 2019;

14 de Dezembro de 2019;

11 e 18 de Janeiro de 2020.

 02 e 30 de Março de 2019;

13 de Abril de 2019;

11 e 25 de Maio de 2019;

08 e 29 de Junho de 2019;

13 e 27 de Julho de 2019;

07 e 21 de Setembro de 2019;

12 e 26 de Outubro de 2019;

16 e 30 de Novembro de 2019;

14 de Dezembro de 2019;

11e 18 de Janeiro de 2020.

 02 e 30 de Março de 2019;

13 de Abril de 2019;

11 e 25 de Maio de 2019;

08 e 29 de Junho de 2019;

13 e 27 de Julho de 2019;

07 e 21 de Setembro de 2019;

12 e 26 de Outubro de 2019;

16 e 30 de Novembro de 2019;

14 de Dezembro de 2019;

11 e 18 de Janeiro de 2020.

23 de Março de 2019;

06 de Abril de 2019;

04 e 18 de Maio de 2019;

01, 15 e 29 de Junho de 2019;

13 e 27 de Julho de 2019;

07 e 21 de Setembro de 2019;

05 e 19 de Outubro de 2019;

09 e 23 de Novembro de 2019;

14 de Dezembro de 2019;

18 e 25 de Janeiro de 2020.

Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências

Rua de Camões 219, 5º Piso

4000-145 Porto, Portugal

Plataforma Online

Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências

Plataforma Online

Instituto Português de Psicologia e Outras Ciências

Hotel Travel Park Lisboa

Avenida Almirante Reis 64

1150-020 Lisboa, Portugal

 

Número de Vagas: limitadas.

Duração: 141h

Horário: Sábados – 09h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

Investimento

Inscrição:

150.00 €

Propina:

1,490.00 €

Seguro escolar:

20.00 €

Condições de pagamento

Pronto pagamento - 12% desconto

Normal
1,311.20 €
(Ex) Alunos do INSPSIC (15% desconto)
1,266.50 €

12 mensalidades

Normal
124.20 €
(Ex) Alunos do INSPSIC (10% desconto)
111.80 €

(1) Pronto pagamento beneficia de 12% de desconto nas propinas. Desconto aplicável na condição de ser efectivada a liquidação total do investimento nos 5 dias úteis pós validação da inscrição.

(2) Alunos e ex-alunos do INSPSIC beneficiam de 15% desconto na propina (opção pronto pagamento) ou 10% de desconto na opção pagamento fraccionado em mensalidades.

(3) Estudantes externos e temporariamente inativos beneficiam de 12% na opção pronto pagamento e também na opção pagamento fracionado em mensalidades.

(4) TRAGA UM AMIGO / 5% desconto por cada amigo até ao limite do pagamento integral da formação. Opção acumulável com outros descontos em vigor.

- INSCRIÇÕES PIONEIRAS: 18% desconto nas propinas se realizadas até 45 dias antes da data inicial da formação.

Nenhum desconto, cartão ou campanha é acumulável entre si, excepto Com a opção "TRAGA UM AMIGO".

O Curso com “preço especial” é cumulativo apenas com a opção "TRAGA UM AMIGO".

Seguro Escolar: 20 euros. Este valor deverá ser regularizado conjuntamente com a 1ª propina ou com o pronto pagamento.

Seguro Escolar: 8 euros. Este valor deverá ser regularizado conjuntamente com a 1ª propina ou com o pronto pagamento dos cursos com duração inferior a 24 horas.

Pagamento por transferência para o IBAN: PT50 0033 0000 4541 1532 8050 5

SWIFT/BIC: BCOMPTPL

Critérios de seleção

- Análise Curricular, e;

- Ordem de chegada das candidaturas (a candidatura só é válida após pagamento da inscrição);

- Entrevista (se necessário)

Observações

(1) A data limite poderá ser antecipada em caso de se verificar o preenchimento do limite de vagas existentes.
(2) Na eventualidade de não atingir o número mínimo de participantes, esta formação poderá sofrer alteração de datas ou mesmo ser cancelada, ficando salvaguardada a devolução de todas as importâncias recebidas pelo Instituto Português de Psicologia;
(3) Em caso de desistência só haverá lugar à devolução da candidatura quando a mesma for comunicada até 10 dias úteis antes da data agendada para o arranque da formação.
(4) Em períodos de campanha, haverá lugar à devolução dos valores investidos unicamente em situação de adiamento superior a 30 dias ou cancelamento da formação em que se tenha inscrito motivado pelo não atingimento do número mínimo de inscrições necessárias ao seu início;
(5) No caso de optar pelo pagamento fracionado das propinas, o mesmo deverá ser efetuado até ao dia 10 de cada mês, após início da formação;
(6) No caso de optar pelo pagamento na totalidade, o mesmo terá de ser efetuado nos 5 dias úteis após validação da inscrição;
(7) O local de formação poderá estar sujeito a alterações por indisponibilidade do mesmo, mantendo-se sempre na mesma cidade;
(8) Toda a informação contida em cada formação é válida, salvo anomalia técnica, informática ou erro gráfico.

Documentos obrigatórios

CV;

Certificado de habilitações;

NIF (Número de Identificação Fiscal);

Envio de comprovativo do pagamento da inscrição.

Inscrição

Subscreva a newsletter do INSPSIC: Construímos o Futuro Consigo.

Candidaturas e informações

Instituto Português de Psicologia | Escola de Formação Avançada
Departamento de Formação Pré e Pós-Universitária
Secretariado e Gabinete de Admissão de Alunos | Student Admissions Office
Rua de Camões Nº 219, 5º Piso
4000-145 Porto / Portugal
Tel./Fax. 220 934 050
Tlm. 91 019 60 02
E-mail:geral@inspsic.pt
URL:www.inspsic.pt

fechar

 

Nós ligamos

fechar